Filme do Pelé… e do Tostão, do Rivelino e da Romênia

Quanto eu tinha 8 anos a locadora perto de casa tinha dois filmes de futebol. Um se chamava “Isto é Pelé”, e tinha várias coisas incríveis que o Pelé fez durante sua carreira. E o outro tinha apenas escrito “Brasil, tri campeão”. Naquela época o Brasil tinha conquistado a Copa do Mundo apenas 3 vezes. Sendo a terceira, em 1970.

Aquele documentário em VHS, que não consegui achar no youtube e não era o filme oficial da FIFA sobre a Copa de 70, trazia apenas os melhores momentos dos jogos do Brasil.

Eu não cansava daquele vídeo. Enquanto minha irmã assistia a uma grande quantidade de filmes infantis, de animação a comédias norte-americanas, eu escolhia quase sempre o mesmo. O tal do filme da Copa de 70.

Logo de cara, o Brasil saía perdendo para a Tchecoslováquia. A seleção tcheca com um uniforme bem legal, todo branco com meias azuis. Mas aí tinha a falta do Rivelino e a sua comemoração explosiva, com raiva. Tinha o Pelé tentando fazer, e quase conseguindo, marcar um gol do meio de campo, tinha gol do Jairzinho com direito a chapéu no goleiro.

Na sequência o famoso jogo entre Brasil e Inglaterra. A partida é tão importante e tão bem documentada que nem vale se estender muito aqui. Que jogo! Com direito a uma das maiores defesas de todos os tempos. Gordon Banks, então goleiro do Stoke City, defendendo a cabeçada de Pelé. (vídeo da defesa abaixo)

Mas na sequência vinha o jogo que eu mais gostava de ver os melhores momentos naquele VHS. Brasil x Romênia. Hoje talvez eu prefira a partida contra os ingleses, ou quem sabe a batalha frente os uruguaios nas semifinais. Mas alguma coisa naquele jogo ofensivo entre brasileiros e romenos me agradava muito quando eu era garoto.

Figurinha da seleção da Romênia no álbum da Copa de 70.

Figurinha da seleção da Romênia no álbum da Copa de 70.

O Brasil abriu o placar aos 20 minutos. Pelé sofreu a falta, e como Rivelino não jogou aquele dia, o próprio camisa 10 bateu. Uma bomba. Golaço. Logo depois uma jogada: Paulo César Caju arrancou pela ponta e deixou para Jairzinho apenas o trabalho de desviar a bola para as redes. Naquela época (1970) tanto Paulo César Caju quanto Jairzinho eram atacantes do Botafogo do Rio.

Antes de terminar o primeiro tempo a Romênia, com Dumitrache, que era atacante do Dínamo Bucareste, diminui o placar. 2 x 1.

E no segundo tempo vem o toque de calcanhar do cruzeirense Tostão. Após escanteio do lado direito, Tostão, de primeira, toca de calcanhar e Pelé marca mais um. 3 x 1 para o Brasil. Após muita pressão a Romênia ainda descontou, Dembrovschi, que atuava pelo recém-extinto clube romeno Bacau, marcou.

Tostão e seu toque de calcanhar para Pelé.

Tostão e seu toque de calcanhar para Pelé.

Assistindo ao jogo agora percebo que talvez a Romênia tenha conseguido equilibrar um pouco mais o jogo porque o Brasil jogou com muitos reservas. Talvez. Fato é que aquele vídeo para mim era a chance de ver o Pelé, o Rivelino, o Tostão… e a Romênia de Dumitrache.

Para quem quiser assistir… ai está o jogo na íntegra na transmissão da TV romena na época.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s